Sites para imobiliárias

e corretores de imóveis

Experimente gratuitamente por 15 dias

Começar agora
Sem compromisso, sem taxa de adesão, sem contrato de fidelidade.

Alguns dos nossos clientes

Temos mais de mil clientes ativos em todo o Brasil. Confira abaixo algumas imobiliárias e corretores de imóveis de sucesso.


Imobiliária Itatiba

Imobiliária Itatiba

Itatiba, SP

União Silva Imóveis

União Silva Imóveis

São Paulo, SP

DCA Imóveis

DCA Imóveis

Mongaguá, SP

Atitude Imóveis

Atitude Imóveis

Barueri, SP

Vip Imóveis SJC

Vip Imóveis SJC

São José dos Campos, SP

G.Milanez Imóveis

G.Milanez Imóveis

Itatiba, SP

Prime Imobiliária

Prime Imobiliária

Caxias do Sul, RS

Tatiana Imóveis

Tatiana Imóveis

Maricá, RJ

Marins Rodrigues Imóveis

Marins Rodrigues Imóveis

Itaboraí, RJ

HDL Imóveis

HDL Imóveis

Hidrolândia, GO

Alpha Living Imóveis

Alpha Living Imóveis

Barueri, SP

Padovani Imóveis

Padovani Imóveis

Araraquara, SP

Dionisio Junior Imóveis

Dionisio Junior Imóveis

Fortaleza, CE

Umanitá Imóveis

Umanitá Imóveis

Santana de Parnaíba, SP

Imobiliária Josias

Imobiliária Josias

São Bernardo do Campo, SP

E.G. Vieira Imóveis

E.G. Vieira Imóveis

Votorantim, SP

Armando Campos Imóveis

Armando Campos Imóveis

Fortaleza, CE

Imobiliária Luma

Imobiliária Luma

Praia Grande, SP


Depoimentos




Notícias do mercado imobiliário


Recomenda-se revisar as clausulas do contrato de financiamento?

Judicialmente, não é recomendável.

Na hora da compra é tudo uma maravilha: imóvel novo, vida nova. Mas quando o contrato de financiamento é iniciado, começam as dores de cabeça. Infelizmente, grande parte dos compradores não presta a devida atenção às clausulas e regras de um contrato de empréstimo imobiliário. Ao entrar em vigor, o cliente passa a ser devedor de seguros, tarifas, correções da TR (taxa referencial), além dos juros e da amortização. Pode parecer abusivo, entretanto foram esses os itens contratados.

A primeira atitude tomada por algumas famílias é questionar o contrato judicialmente, e tentar alterar alguma regra contratual para benefício próprio. Para os interessados que ainda sonham com tal revisão, peço um pouco de cautela. 

Em julgamento de recurso repetitivo, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu a tese de que não é possível a revisão de cláusulas contratuais.

Após a admissão do recurso pelo STJ como representativo de controvérsia (o tema foi cadastrado com o número 908 no sistema dos repetitivos), o ministro relator, Paulo de Tarso Sanseverino, propôs a fixação de duas teses: a impossibilidade de revisão de cláusulas contratuais em ação de prestação de contas e a limitação ao magistrado, para análise, apenas da existência e da eficácia das cláusulas contratuais. 

Todavia, prevaleceu na Segunda Seção o entendimento da ministra Isabel Gallotti. Em seu voto, a ministra acompanhou a posição do relator em relação à impossibilidade de alteração das bases contratuais em processo de prestação de contas, que tem rito especial e limitações em relação ao exercício do contraditório e da ampla defesa.

Entretanto, a magistrada sugeriu ao colegiado a adoção apenas da primeira tese apresentada. Em relação à segunda proposição, Gallotti explicou que a relação contratual que deve nortear a prestação de contas não está restrita ao formulário assinado no início do relacionamento – que normalmente não apresenta eventuais taxas de juros cobradas –, mas abarca o conjunto de documentos e práticas que construíram a relação bancária entre as partes ao longo dos anos. Por isso, para a ministra, não é possível que o magistrado substitua a taxa de juros remuneratórios, a periodicidade da capitalização ou os outros encargos aplicados durante a relação contratual.

“Dessa forma, penso que, após prestadas as contas, cabe ao julgador, na sentença da segunda fase da ação, analisar se tais contas foram prestadas na forma mercantil e fazer a verificação da compatibilidade das contas apresentadas entre os créditos, os débitos e o posterior saldo, sem promover a alteração nos encargos contratuais vigentes durante a relação contratual”, concluiu a ministra. Ela ressalvou, entretanto, a possibilidade de ingresso com ação revisional de contrato cumulada com repetição de eventual indébito.

No caso julgado, com base na tese firmada, a seção decidiu dar parcial provimento ao recurso do banco para manter os juros remuneratórios e a capitalização praticadas ao longo da relação contratual.


Fonte: RESUMO IMOBILIÁRIO